Professora Doutora Amy Hui, PhD, Nutricionista
Departamento de Medicina Interna na Universidade de Manitoba
Pesquisa Relacionada com Diabetes
Diretora de Marketing e Comunicações para a Secção Profissional da
Canadian Diabetes Association
O Site da Comunidade Portuguesa de Manitoba
www.portugueseinmanitoba.com
Doçura na vida

Por: Dra.Amy Hui
Nutricionista

Há pouco tempo atrás, encontrei-me com a minha amiga dietista Ana para tomar café. Eu sei que as pessoas geralmente imaginam a imagem corporal de um nutricionista de ser magro e apto. No entanto, na vida real, os dietistas vêm em diferentes tamanhos de corpo também. Ana tem alguns quilos extra. Quando eu vi Ana, fiquei surpreendida por ela ter perdido peso. Ela estava esbelta e cheia de energia.

Ana contou- me o seu segredo: parou de acrescentar açúcar à sua comida. Ela perdeu seis quilos em alguns meses.

Tão mágico? Então eu pensei, normalmente dizemos às pessoas com diabetes que prestem atenção à quantidade total de carbo hidratos nos alimentos, e não apenas que se concentrem no açúcar. Porque a quantidade total de carbo hidratos afeta diretamente o valor da glicose no sangue depois das refeições. Se o controle de açúcar no sangue é bom, ter algum açúcar adicionado nas refeições está bem. No entanto, com obesidade e taxa de diabetes aumentando rapidamente no mundo, nos últimos anos, mais e mais resultados da pesquisa começaram a questionar esta teoria.

Ingestão excessiva de açúcar e riscos para a saúde

Em 2014, os cientistas utilizaram o Questionário Nacional de Nutrição e Saúde para estudar a relação entre açúcar e mortalidade cardiovascular. Os resultados mostraram que, para as pessoas cuja ingestão diária de açúcar representa 10% a 25% do total de calorias em comparação com pessoas com menos de 10% da ingestão calórica total, seu risco de mortalidade cardiovascular é 1,3 vezes maior e a taxa de mortalidade é de três vezes maior. Os cientistas também estudaram a relação entre a ingestão de açúcar e diabéticos em dietas de um ponto de vista epidemiológico. Eles descobriram que a ingestão de açúcar e a incidência de diabetes está relacionada. Enquanto ainda estamos à espera de mais pesquisas para explicar o mecanismo deste, algumas organizações de saúde pediram ao público para prestar atenção ao consumo excessivo de açúcar na dieta. O último relatório Canadense sobre a ingestão de nutrientes indica que a ingestão média anual de açúcar no Canadá representou 13% do total de calorias diárias, superando as recomendações da Organização Mundial da Saúde (10%). No Canadá, 60% dos adultos e 30% dos adolescentes estão com excesso de peso.

A Organização Mundial de Saúde recomendou que a ingestão diária de açúcar limitado a 25 gramas, aproximadamente seis colheres de chá de açúcar. O açúcar inclui adição de açúcar no processamento de alimentos e culinária. Também inclui mel natural, xarope e sumo.

Como calcular a quantidade de açúcar nos alimentos

Muitos alimentos no mercado são inevitavelmente adicionados com açúcar, a partir da perspetiva de perda de peso, essas calorias não podem ser ignoradas. Como calculamos a ingestão de açúcar em nossa vida quotidiana?  Na verdade é muito simples, todos os frutos naturais e alguns vegetais, embora possam parecer um pouco doces, eles não pertencem à categoria de "açúcar adicionado", pelo que você não precisa se preocupar com eles a menos que você tenha diabetes E estão comendo muita fruta. Mesmo se você tiver diabetes, frutas e legumes ainda são excelentes escolhas alimentares. No entanto, se você adicionar açúcar, mel ou até mesmo puro sumo de fruta natural durante o processo de cozimento, então estes açúcares adicionados devem ser contados. O rótulo nutricional do pacote pode nos fornecer informações úteis. Por exemplo, o teor de açúcar de uma lata de pop (refrigerante) é de 40 gramas, equivalente a 10 colheres de chá de açúcar. Isto excedeu a recomendação. Um dietista registado pode fornecer conselhos sobre como ler um rótulo nutricional.


Cozinha saudável

Será que a redução do açúcar pode tornar a nossa alimentação chata? Acho que não. Eu admiro as pessoas que podem cozinhar refeições deliciosas com ingredientes simples. Quando eu era uma menina pequena, os meus pais gostavam de cozinhar o melão amargo e a carne refogada, um prato popular na China. Eles descreviam o sabor como doce e refrescante e incentivavam- me para provar. Não entendi a sua descrição do gosto no momento. Eu pensei, amargo é amargo, como poderia ser doce e refrescante? Além disso, a minha avó costumava cozinhar a sopa deliciosa com carne, rabanete, cenoura e milho. Todos concordavam que sua sopa era doce e deliciosa. Agora eu entendo, esta doçura vem do sabor real dos ingredientes frescos.

Na nossa sociedade, preocupamo-nos com a segurança alimentar, aditivos alimentares e conservantes todos os dias. Por que não escolhemos uma vida simples, cozinhar com os ingredientes frescos e simples? Deixe nosso paladar ficar longe de gostos ricos e pesados e deixa-nos ter melhor saúde.